O crescimento digital é permanente?

Confira no post de hoje do #StandoutExplica uma análise sobre a perspectiva para o comércio eletrônico após a pandemia do COVID-19.

#Standout Explica

Estamos vivendo há um ano e meio em uma pandemia, mas agora ao saber que em alguns estados assim como o de SP temos a primeira dose já disponível para toda população adulta acima de 18 anos, nos passa um sinal de esperança. Essa semana São Paulo decretou a liberação das restrições de horário e público para os estabelecimentos, mas claro, respeitando todas as medidas de proteção. E com isso, temos a grande dúvida pairando na cabeça de muitos: “Como será o mundo pós pandêmico?”. E para nós, que trabalhamos com Digital: “Como continuarão as compras online?”.

No Standout Explica dessa semana trouxemos exatamente esse tema tão questionado.

Que o mundo online cresceu durante a pandemia não é novidade para ninguém. Em agosto de 2020, a Forbes[i] trouxe um estudo divulgado pela IBM dos Estados Unidos, que há exatamente um ano atrás, a pandemia já havia impulsionado o e-commerce a um crescimento que estava estimado ocorrer em 5 anos. Em março de 2020 quando foi decretado o distanciamento e a quarentena, pessoas que não compravam na internet se viram sem escolha e recorreram ao meio digital, com isso as indústrias e varejos se viram com altas demandas.

Uma pesquisa realizada pela Ebit|Nielsen [ii] indica que, entre janeiro e março, houve um aumento de 32% no número de pessoas que realizaram as suas primeiras compras online. Em 2019, esse aumento foi de 17% no mesmo período. A empresa indica também que, quando se fala em números totais, o e-commerce cresceu mais de 48% apenas no Brasil. Para você ter uma ideia do tamanho desse crescimento, só no mês de abril de 2020, o e-commerce vendeu 81% a mais do que no mesmo período de 2019, movimentando R$ 9,4 bilhões de reais.

Crescimento das indústrias e varejos

Aqueles que já eram digitais tiveram que se aperfeiçoar e aumentar sua comunicação e logística para conseguir suprir a alta demanda de pedidos. Podemos analisar esse crescimento com a evolução das entregas dos varejos: se antes da pandemia você comprava algo online e tinha um longo prazo de entrega na sua residência, hoje temos diversos varejos onde se você comprar até um determinado horário, sua mercadoria chega ao mesmo dia em sua casa. Sobre as indústrias 100% analógicas, elas tiveram que se adaptar da noite para o dia com essa transição, pois o que era opcional se tornou o único meio de mantê-las vivas.

A pandemia foi um divisor de águas para as compras online, e a crise pegou em cheio até mesmo empresas que já possuíam e-commerce, mas que dependiam de vendas dos shoppings e ficaram com coleções encalhadas em estoque, pois sua presença no e-commerce era mais fraca. Segundo o capítulo da Retrospectiva 2020 do Portal iG[iii], das 10 empresas que se deram bem durante a pandemia e se tornaram exemplo de gerenciamento em época de dificuldades, 9 delas eram digitais e apenas uma delas é uma indústria com mais de 100 anos de mercado, mudando todos os paradigmas de que apenas as empresas antigas têm estruturas para superar uma crise,

Mas uma hora essa crise vai passar; e como será? A tendência é que os consumidores continuem a utilizar esse canal de vendas, mesmo neste momento de retomada das atividades presenciais. Afinal, ele traz conforto e comodidade para os clientes. Sobre os mais resistentes a essas mudanças, pode ser que o teste durante a pandemia tenha servido para colocá-los no mundo online, pois as mudanças e ajustes que temos acompanhado nos e-commerce, trouxeram não apenas mais lojas para o online, mas sim mais logísticas, tecnologia, facilidades e tudo que faltava para trazer confiança e segurança para ambos os lados.

Portanto, o investimento no e-commerce vai além do momento de crise. Ele se torna importante para a manutenção das empresas nos próximos anos, uma vez que o comportamento do consumidor se alterou permanentemente. A tendência é que ele continue crescendo, exigindo que a sua empresa esteja, cada vez mais, presente no ambiente virtual.

Crescimento da Standout com a pandemia

Assim como a maioria das empresas que cresceram durante a pandemia, com a Standout que é 100% digital não foi diferente. A Standout dobrou de tamanho durante a pandemia, iniciando a extensão dos seus serviços para o mercado latam. O mais bacana é que não crescemos sozinhos, nós crescemos ajudando as empresas a e se destacarem durante a pandemia.

STANDOUT transforma o e-commerce em um poderoso canal de mídia. É uma ferramenta B2B capaz de unir fabricantes e portais de e-commerce, alavancando vendas e beneficiando o consumidor com um conteúdo relevante e inspirador.

Nossos clientes são os departamentos de marketing e trade marketing de indústrias do segundo setor que comercializam seus produtos através de parceiros diretos e indiretos de e-commerce, e que desejem aumentar seu faturamento aumentando a conversão de vendas nos parceiros de e-commerce.

A solução oferece consistência e capilaridade (o produto é apresentado da mesma forma em diversos canais de e-commerce, com layout responsivo também para e-commerce), além de permitir aplicar as novas estratégias de marketing instantaneamente nos sites varejistas. Tudo isso reforça a comunicação das campanhas publicitárias e potencializa vendas.

Gostou do conteúdo? Entre em contato conosco e iremos ajudá-los a se destacar e aumentar suas vendas em médias de 60% com nossa tecnologia, afinal agora que o digital faz parte das nossas rotinas, estar online não é mais o suficiente – é preciso sempre inovar para acompanhar o mundo digital.


[i] https://forbes.com.br/forbes-collab/2020/08/camila-farani-pandemia-impulsiona-e-commerce-em-5-anos-diz-ibm/

[ii] Ebit | Nielsen – 2021

[iii] https://economia.ig.com.br/2020-12-29/confira-10-empresas-que-venceram-a-covid-19-inovaram-e-cresceram-em-2020.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.