Varejo no mobile: um detalhe pode fazer suas vendas dispararem

O varejo é um negócio de detalhes (“retail is detail”, diz o famoso ditado em inglês). E o varejo mobile também é repleto de pontos de atenção que fazem uma grande diferença na experiência do cliente. Melhorias que tragam um aumento de performance nas páginas ou tornem a leitura mais fácil são sempre positivas. Afinal, deixam o consumidor mais confortável e disposto a se relacionar com sua marca. Quando esse processo é bem feito, o resultado é um aumento (muito aguardado!) da taxa de conversão e das vendas.

De cada cem clientes que acessam a página de seu produto em um e-commerce, em média 98 não compram. Esse motivo pode vir da busca do varejo que não ajudou o consumidor a encontrar o que ele estava procurando, ou porque a página do produto não despertou o desejo de consumo ou entre outras razões — até porque o checkout ainda é complicado. Alguns desses problemas podem ser evitados se a página do e-commerce estiver sempre adequada ao smartphone que o cliente está usando, independentemente do formato ou resolução da tela.

 

E-commerce responsivo

De acordo com uma pesquisa realizada pela Digitalks, sete em cada 10 consumidores afirmam que é fundamental que o e-commerce seja responsivo para eles concluírem a compra. Ou seja, ele deve se adaptar automaticamente ao tamanho da tela e às características técnicas do celular. Sites lentos e não responsivos são um dos principais motivos que levam o cliente a desistir. Ao deixar de considerar o smartphone que o cliente está usando, a indústria e o varejo perdem vendas.

Uma pesquisa aponta que quase 60% dos consumidores que acessam páginas que contam com a solução de trade marketing digital estão navegando em smartphones. Desses acessos mobile, apenas pouco mais de 21% são realizados a partir de equipamentos mais novos da Apple, Samsung (Galaxy J8+) ou Lenovo/Motorola G5+. A imensa maioria dos acessos acontece a partir de equipamentos com resoluções e tamanhos de tela menores que os modelos mais recentes.

Ao levar esses números em consideração, o desenvolvimento das páginas de produto nos sites precisa considerar alguns pontos. São eles:

  • o volume de informação a ser disponibilizado;
  • a quantidade de texto;
  • as funcionalidades interativas.

Tudo para que qualquer cliente, em qualquer celular, receba as informações mais importantes sobre o produto que está considerando para a compra.

Análise do smartphone

Algumas agências de publicidade, e até mesmo o departamento de marketing de algumas indústrias, nem sempre conseguem analisar o tipo de smartphone que o consumidor utiliza. Com isso, podem cair na armadilha de focar em utilizar os recursos mais novos disponíveis para os equipamentos de ponta. E, consequentemente, deixar de considerar a experiência da maioria dos clientes, que utiliza modelos mais antigos de celular.

É preciso trabalhar em parceria com as agências para elas terem todas as informações, criarem os melhores conteúdos possíveis e entregarem experiências excelentes aos clientes. Cuidar de todos os detalhes da responsividade de forma transparente, deixando com a agência apenas a preocupação com a comunicação, pode ser uma boa estratégia. Essa parceria irá gerar frutos para a indústria, que garante uma presença sempre relevante com o cliente. E também para o varejo, que amplia sua taxa de conversão na página de produtos e, automaticamente, vende mais.

A responsividade dos sites é um dos aspectos mais importantes da experiência de compra dos clientes mobile — por isso não pode ser negligenciada. Sempre leve em conta o tipo de celular que os consumidores usam e adapte sua comunicação às características dos principais equipamentos do mercado. O resultado você sente no aumento das vendas.

A comunicação em tempos de covid-19

Sou cientista da computação por formação, mas trabalho no universo da comunicação há mais de 20 anose e propaganda pudessem fazer a sua comunicação de forma eficaz e eficiente. Hoje em dia sigo no timão da minha empresa de Trade Marketing Digital, fazendo dessas duas paixões, a TI e a comunicação, a minha razão de viver profissional.

Se desde sempre, existe o desafio das marcas em acertar o “tom” da sua comunicação, para que ao mesmo tempo seja possível ampliar as vendas e cuidar do seu consumidor, hoje em dia esse desafio parece ser hercúleo.

Tem uma turma que realmente não tem se importado com os títulos de “interesseiro” ou “abusivo”, por exemplo o pessoal que subiu o preço de insumos médicos (como máscaras) em 1300%.  Vamos deixar que lidem com as medidas legais e os processos no futuro. Não vou falar dessa turma que não está preocupada com comunicação, nem reputação nem com a saúde pública.

O momento no qual o isolamento social se faz tão contundente, as marcas que continuam investindo em comunicação são aquelas que permanecerão presentes na vida dos consumidores quando a crise passar. Mais que isso, essas marcas que continuam garantindo o trabalho aos colaboradores, o pagamento aos fornecedores e os preços justos aos consumidores finais estão garantido um Brasil saudável, um Brasil viável!

As marcas sérias realmente estão preocupadas com o seu público. Para estas, muitas noites em claro para continuar fazendo ações de marketing dos seus produtos, para continuar no mercado inclusive, e ao mesmo tempo conseguirem atender às demandas com o respeito e o cuidado que o momento exige.

Penso que se destacam aquelas marcas que tem conseguido levar uma mensagem de prestação de serviço público, ou que de alguma maneira tem contribuído para amenizar algumas das graves consequências iniciais desta crise.

Vão aqui menções a todas as companhias que dedicaram seu tempo para comunicar como se lavam as mãos,  quais ações do dia-a-dia podem aumentar seu grau de prevenção contra o vírus ou quais alimentos e ações podem ajudar a aumentar a imunidade das pessoas. Também uma menção a todas aquelas que tiveram condição inclusive financeira de produzir o que nos tem faltado no combate a esta pandemia, de álcool a equipamentos de proteção individuais (EPI). Empresas de todos os tamanhos. Lembro de uma farmácia que recebeu um lote de álcool em gel, e separou em pequenos potinhos para distribuir para quem não tem condição de comprá-lo. São marcas das mais variadas naturezas e que estão agindo em prol do coletivo. Mais do que isso, estão agindo pelo bem comum, pelo bem maior que existe que é a preservação da vida.

Não existe comunicação mais importante ou mais poderosa que essa.

Feito por: Andrea Miranda.
Escrito por: Andrea Miranda.

Estratégia de vendas: Conteúdo vende, e muito.

O E-commerce Brasil, maior portal brasileiro de e-commerce, publicou nessa quarta-feira (12/02/2020), artigo feito por Andrea Miranda, CEO da Standout. Onde explica quão importante é ter estratégia para vendas online. Confira abaixo:

“Ter uma estratégia de vendas online não é uma opção e, sim, uma necessidade. Atualmente, 27% da população brasileira já compra pela internet e em 2018 o varejo online apresentou um crescimento de 12%, contra 2,3% do varejo como um todo.

Motivados pela conveniência de comprar a qualquer momento, pela praticidade de não precisar se deslocar a uma loja – onde o produto talvez nem esteja disponível – e estimulado pela possibilidade de obter mais informações, os consumidores assumem um comportamento cada vez mais digital.

Digital e mobile

Segundo o relatório Webshoppers, os acessos a sites de e-commerce a partir de smartphones saltaram 40% em 2018 e representaram 42,8% de todos os acessos no início deste ano. Para quem está no e-commerce também é preciso pensar primeiro no mobile.

O cliente está o tempo todo com seu celular nas mãos (segundo o Google, em média acessamos nossos smartphones 150 vezes por dia) e, com isso, quem desenvolve uma boa estratégia mobile tem mais chances de estabelecer um relacionamento duradouro com o consumidor.

No momento de estabelecer o relacionamento com o consumidor, grande parte do varejo online continua pecando. De acordo com o relatório anual do E-commerce Radar, a taxa média de abandono de carrinho (quando o cliente
adiciona algum produto e não finaliza a compra) é de 82%.

Para a indústria, isso significa uma grande oportunidade perdida. Todo o investimento realizado para atrair o consumidor para sua marca é desperdiçado quando a navegação no site é confusa, a página de produto não desperta o desejo de consumo ou o processo de checkout é complexo.

Embora boa parte das ações de melhoria da experiência de consumo seja de responsabilidade do e-commerce, a indústria não está de mãos atadas. Assim como acontece no ambiente físico, em que ações de trade marketing e
ativações no PDV influenciam diretamente a decisão de compra do consumidor no e-commerce é possível gerar diferenciação para as marcas nas páginas de produto.

 

Estratégia de vendas

No ambiente digital, o cliente pode comparar rapidamente todas as possibilidades de marcas e preços. Ainda assim, segundo o eBit, 56% dos consumidores desistem de comprar por não ter informações suficientes sobre os itens que desejam adquirir. Trabalhar com imagens, vídeos e conteúdo relevante é uma forma de alcançar uma diferenciação importante, oferecer informações no contexto desejado pelo cliente e estimular as vendas.

Quando a indústria produz uma vitrine para um produto, apresentando um layout interessante e interativo, imagens, textos e vídeos com explicações de como usar, dicas de especialistas, receitas e outras informações relevantes para
o universo do consumo daquele item. Além disso, entrega esse conteúdo de forma responsiva para que tenha boa leitura em qualquer aparelho mobile. Com isso, a indústria se destaca em relação a seus concorrentes.

Por ser feita pela própria indústria, a comunicação é elaborada por especialistas e está naturalmente alinhada aos pontos de contato offline, quer seja mídia impressa, tv ou ações de trade no pdv, complementando essa mídia tradicional. Depois que a publicidade atrai o cliente, a vitrine online dá sequência ao discurso da campanha, garantindo que o consumidor receba uma mensagem consistente durante toda a jornada de compra.

O resultado é um aumento significativo das vendas. Dos nossos clientes que passaram a produzir vitrines online com mais informações relevantes contextualizadas sobre seus produtos, vimos um aumento médio de vendas de 60%, com um crescimento de 252% no tempo médio dos usuários nas páginas, além de um aumento médio de 25% no fluxo de público. São mais pessoas interagindo por mais tempo com sua marca e gerando resultados efetivos de venda.

A indústria tem caminhos para melhorar o desempenho das vendas online obter uma real diferenciação em relação aos concorrentes. As respostas se tornam mais visíveis quando saímos do jeito tradicional e pensamos em como o
cliente se comporta e na experiência que ele gostaria de ter no momento de decisão de consumo. Os resultados compensam e muito!”

FONTE: E-commerce Brasil – Estratégia de vendas: Conteúdo vende, e muito.

 

Trade Marketing Digital x Trade Marketing Tradicional.

O Trade Marketing é uma das maiores estratégias utilizadas pelas marcas no mercado mundial. As empresas investem em Trade Marketing, em média, de 10% a 15% de seu faturamento. Mas muita gente se pergunta a diferença entre o Trade Marketing Digital e o Tradicional.

No trecho do vídeo abaixo, nossa CEO, Andrea Miranda explica com clareza essa diferença e, como ambos são necessários atualmente.

 

Standout é pioneira em inteligência de trade marketing digital no Brasil.

Com os avanços tecnológicos, a forma como adquirimos ou vendemos um produto mudou. Agora, o consumidor se informa e compra cada vez mais pela internet. De acordo com o último relatório Webshoppers, do Ebit|Nielsen, 36% da população já é digital buyer, fazendo do Brasil o país com maior faturamento no digital commerce na América Latina. O cliente tem se tornado mais exigente, buscando uma experiência cada vez mais simples, fácil, rápida e personalizada.
De olho em oferecer facilidades para o momento da compra online, a Standout desenvolveu uma solução de inteligência em trade marketing digital, ajudando marcas e indústrias a falarem diretamente com os seus públicos no último ponto de contato digital, que é a página de produtos dos e-commerces, apoiando o consumidor no momento da decisão.
“Até antes da Standout, não era possível trazer as ações de trade marketing do mundo físico para o ambiente digital.” Explica Andrea Miranda, CEO da Standout.
A Standout pode disponibilizar conteúdos dos produtos de seus clientes em qualquer e-commerce do Brasil e do mundo, e hoje já disponibiliza esses conteúdos em real time em mais de 100 grandes varejos, o que pode gerar um aumento médio de 60% das vendas online.
FONTE: Radar do futuro – A pioneira da inteligência para o trade marketing digital no Brasil
Veja mais em:

Pensar no consumidor online é primordial

A utilização de plataformas digitais para entretenimento, compras e pesquisas é parte do cotidiano dos consumidores. Focando em compras, podemos notar uma alta na taxa de gastos nas lojas online. E por que isso acontece?
O e-commerce (loja virtual) proporciona aos consumidores diversas comodidades que uma loja física provavelmente não proporciona. O cliente que compra online quer encontrar o melhor produto para a sua necessidade.
No ambiente digital, ele pode comparar rapidamente todas as possibilidades de marcas e preços de produtos, além de ter a liberdade para escolher o que precisa com tempo. Esse cenário faz com que muitos apreciem o produto no ponto de venda físico, mas finalize sua compra com calma no ambiente online.
O cliente quer informação sobre o produto e muitas vezes ele só encontra isso com um vendedor pessoalmente, fazendo com que recorrentemente a compra seja adiada.
Você tem que se destacar na loja online!
Vender para esse público requer grande destaque. A realidade de consumo hoje passa por uma geração impaciente que busca e decide de forma rápida e online, por isso é importante conhecer o interesse do seu consumidor e investir para que o conteúdo do seu produto seja recebido de forma clara e atenciosa, influenciando positivamente na decisão da compra.
Como investir no consumidor online?
Esse público necessita de estímulos, e ele vai comprar de quem oferece as informações que ele procura. Assim, trabalhar com imagens, vídeos e conteúdo relevante é a forma de se diferenciar da concorrência.
A Standout proporciona isso. Especializada em inteligência de Trade Marketing Digital, desenvolvemos uma solução para apoiar o consumidor no momento da decisão final de sua compra online. A ferramenta auxilia as empresas a falarem diretamente com os seus públicos, o que pode gerar um aumento médio de 60% das vendas online.
Na prática, a empresa que contrata a Standout pode disponibilizar conteúdos dos produtos de seus clientes em qualquer e-commerce do Brasil e do mundo, e hoje já disponibiliza esses conteúdos em real time em mais de 100 grandes varejos, com potencial para intensificar as vendas.
A Standout, está entre as 100 Startups to Watch de 2019, é 1ª colocada no Latam Retail Show Start Me Up e coleciona prêmios como o Like a Boss, do Sebrae Top 5 Profissional de Vendas no Prêmio E-commerce Brasil, além de ser Top 2 Varejo e Top 5 Marketing no 100 Open Startups por 4 anos consecutivo (de 2016 a 2019).
Dentre as mais de 100 marcas no seu portfólio, estão: Dove, Rexona, Comfort, OMO, Knnor, Mãe Terra, Veja, Vanish, Jontex, Olla, Acnase, Dermacyd, Novalgina, Dorflex, Accu-Chek, Tacitá, G-TECH, Skol, Loceryl, Benicar, Helioderm, Tennys pé e Chamyto.
Aproveite a nossa solução. Entre em contato conosco.

Tecnologia, modelos de negócio e disrupção: confira todos os detalhes do palco Startup Expo, no Fórum E-Commerce Brasil 2018

Entre os dias 14 e 16 de agosto, aconteceu o Fórum E-Commerce Brasil 2018 que recebeu mais de 150 expositores e milhares de congressistas para debater tecnologia, inovação, varejo e soluções para startups. O Startup Expo, realizado pelo STARTUPI, contou com uma área de 400 metros quadrados dedicada à exposição de 13 startups selecionadas, onde aconteceram palestras riquíssimas em conhecimento para o público, troca de soluções e muito networking. Com dois dias de evento, algumas startups puderam deixar seu depoimento, confira o da Standout:

Fonte: Startupi

Veja mais em: https://startupi.com.br/2018/08/tecnologia-modelos-de-negocio-e-disrupcao-confira-todos-os-detalhes-do-palco-startup-expo-no-forum-e-commerce-brasil-2018/

 

A nossa ferramenta permite entender como o consumidor interage com seus produtos

Matéria da Venda Mais: A ferramenta da Standout é a solução de trade marketing para marcas e indústrias que precisam criar vitrines de produtos diferenciadas para e-commerces em real time diretamente na página de produto de mais de 50 varejistas. Disponibilizando ainda diversas informações gerenciais, incluindo Standout Heatmap, que são mapas de calor para descobrir o comportamento do usuário enquanto navega pela vitrine, permitindo entender como o consumidor interage com seus produtos.

Fonte: Startupi

Veja mais em: http://www.vendamais.com.br/vitrine-de-produtos-nos-e-commerces/

A página de produto é decisiva: Ela precisa ser perfeita!

O e-commerce continua aumentando seu crescimento​ e os consumidores estão comprando cada vez mais. O dinheiro está migrando para o mundo digital. As vendas on-line estão projetadas para exceder R$ 84 bilhões em 2021* no Brasil!

Ao mesmo tempo, o cenário competitivo cresceu. Mais conectados e capacitados, os compradores de hoje não se contentam apenas dados técnicos ou ​meros textos, eles gostam experiências digitais imersivas e envolventes. Já não é suficiente ter uma boa estratégia de marketing e um serviço ao cliente de alto nível. O sucesso no momento crucial em que o consumidor se depara com o botão “Comprar” depende, e muito, da qualidade da página do produto nos e-commerces.

A importância da página do produto não pode ser negligenciada. É o coração e a alma da marca, a vitrine digital para ganhar clientes e gerar receita. Ela precisa ser boa e convincente! Construir uma página que dá vida ao produto e o destaca não é uma tarefa fácil. Mas fazer tudo certo traz MUITO resultado.

Vamos começar com a qualidade. A capacidade de fornecer informações relevantes sobre produtos, comprovadamente aumentam tanto a satisfação do cliente quanto as conversões. A partir de imagens impactantes, vídeos e textos vendedores pode-se aumentar as vendas em média de 60%.** O conteúdo da página do produto não deve apenas informar e envolver, mas também gerar confiança e motivar a compra.

O mecanismo de entrega de conteúdo e a forma como uma página é exibida são igualmente cruciais. A realidade é que os consumidores de hoje estão igualmente confortáveis comprando on-line quanto nos corredores de uma loja e esperam experiências confortáveis em todos ambientes. Enquanto isso, o celular mudou a maneira como compramos. 82% dos compradores dizem que pesquisam no celular antes de tomar uma decisão de compra e 36% dos consumidores usam seus telefones para obter informações sobre produtos dentro da loja física. ***

Isso significa que é vital que a informação do produto seja exibida de forma rápida, responsiva e homogênea, não importando a tela, navegador ou os sites de varejo. Esta uniformidade proporciona um maior controle sobre a mensagem da marca e cria uma experiência de compra consistente, onipresente e satisfatória. Fornecer esta ótima experiência depende muito de ter a tecnologia certa à sua disposição; algo que é projetado para inovar e atender aos hábitos de compras em constante evolução.

A mensagem é alta e clara: as marcas e os varejistas de hoje enfrentam ​muita pressão para manter o conteúdo rico e envolvente. Criando histórias de produtos que são emblemáticas, com conteúdo que se conecta com os consumidores em um nível mais profundo,  não apenas agradável.

Os consumidores exigem excelência, consistência e qualidade. Responder rapidamente para cumprir essas demandas com páginas de produtos tão perfeitas quanto possível é fundamental para ganhar a venda na última milha: A página de produto.

Ricardo Pinheiro – Standout : Inteligência em Trade Marketing Digital

* Relatório Google Outubro de 2016

**Resultados de inúmeros Testes A/B realizados pela equipe de análise de dados da STANDOUT

***Bazaar Voice 2016

 


Ricardo Pinheiro - Head of Sales

STANDOUT : Inteligência em Trade Marketing Digital 



* Relatório Google Outubro de 2016 

**Resultados de inúmeros Testes A/B realizados pela equipe de análise de dados da STANDOUT

***Bazaar Voice 2016

A guerra pelo consumidor. Trade marketing… (digital?)

Estive pensando sobre a questão estratégica do trade marketing convecional ao mesmo tempo em que avaliava o perfil dos consumidores nos dias de hoje. Como o consumidor hoje tem acesso a muito mais informação, consequentemente ele se tornou mais exigente, crítico, informado, entende como comparar os produtos e tem uma segmentação muito mais relevante.

Resolvi conversar com alguns amigos que trabalham com trade convencional e o pessoal me disse que hoje a batalha (usaram de eufemismo, é uma verdadeira guerra) no ponto de venda, é constante, pois cada marca/produto está buscando mais espaço em loja, uma melhor exposição do seu produto, ter seu material de merchandising no local mais estratégico, enfim, um cenário bélico, recheado de batalhas em diversas frentes.

 Você pode ganhar muitas batalhas, mas a guerra da concorrência só é ganha no ponto de venda. Paul Polman CEO Unilever

Vendo que o pessoal do trade marketing investe em material promocional, pessoal, ações, displays, e mais uma gama imensa de “armas” para vencer essa batalha, notei que muitas vezes eles não tem acesso ao armamento correto, quando se trata do trade marketing digital, uma ferramenta muito importante: o conteúdo da página de produto nos e-commerces.

Vou exemplificar o que pode ser feito na página de produtos: ao invés de termos apenas o botão comprar, o preço e a imagem de produto, podemos ter um material rico, com vídeos, fotos, texto, mostrando os benefícios do produto, afinal é ali que acontece a compra no mundo digital!

Para vencer uma batalha podemos atacar apenas uma frente, mas para vencer a guerra temos que dar atenção a todos os detalhes, seja no PDV ou na internet.

Ricardo Pinheiro – Head of Sales – STANDOUT